complexogel

O COMPLEXOGEL é um blog que integra o emocional, o mental, o intelectual e todas as formas do conhecimento, numa verdadeira salada de idéias

segunda-feira, janeiro 30, 2006

HOMENS DE UMA SÓ MULHER

As vantagens de ser homem de uma só mulher são muitas. Poderíamos enumerar várias delas, porém vivemos o tempo da concisão e da brevidade.

Os homens de uma só mulher não sofrem de ansiedade, são felizes, serenos, realizados. Bons maridos e pais, ótimos avôs, amigos sinceros e colegas amáveis, desconhecem a dor das surpresas desagradáveis, não atropelam o tempo, são inteiros, indivisíveis. Andam alinhados com suas parceiras. O alinhamento que permite a evolução do casal, e conforta proporcionando a paz.

São dotados de extrema tolerância, não a tolerância dos tolos, mas a dos pacificadores. Valorizam a amizade, a cumplicidade, a solidariedade. Não são volúveis, nem indecisos, têm a determinação como característica de personalidade.

Os homens de uma só mulher enxergam a sua parceira como uma mulher especial, forte e corajosa.

O homem de uma só mulher tem naturalidade, bom humor e sensibilidade, porque as mulheres não precisam de um homem que as alimente. Elas precisam de um homem que as ame e que se deixe ser amado.

O homem de uma só mulher sabe que, ser amado por elas apaixonadamente, representa sobretudo, a delícia de ter conquistado seu coração.

A mulher de um homem só transforma-se em um sol, cuja gloria maior, consiste deixar-se admirar em cada um de seus raios de luz.

O homem de uma só mulher sabe que, quando elas nos amam. Todos os dias nos olham como se fosse a primeira vez, com o mesmo carinho, com o mesmo tesão.

O homem de uma só mulher sabe que, em cada momento de uma mulher apaixonada, existe sempre outro momento e tudo acontecendo simultaneamente.

O homem de uma só mulher sabe que, ela se entrega macia, quente e leve, exalando um perfume que é a doce promessa que o faz explodir, interagindo com o momento, criando sua existência, te levando a experimentar em um único momento milhões de possibilidades de prazer, mostrando por dentro o que você sente por fora, mudando sua vida de preto-e-branco para colorido.

O homem de uma só mulher sabe que, ela quando está apaixonada, pensa com o coração, age pela emoção e se entrega por amor, transformando os prazeres em luz e sorrisos.

O homem de uma só mulher sabe que, o amor é um sentimento a ser aprendido: é tensão e satisfação – é desejo e hostilidade – é alegria e dor – um não existe sem o outro. Ele sabe que a felicidade é apenas uma parte integrante do amor. Isto é o que deve ser aprendido. Sabe que o sofrimento também pertence ao amor. A sua própria beleza e o seu próprio fardo.

O homem de uma só mulher sabe que, em todo o esforço que se realiza para o aprendizado do amor é preciso considerar sempre a doação e o sacrifício ao lado da satisfação e da alegria. Sabe que terá que desembolsar algo para obter um bem maior e melhor para a sua felicidade. É como plantar uma árvore frente a uma janela. Ganha sombra, mas perde uma parte da paisagem.

O homem de uma só mulher não teme o envolvimento emocional, porque tem a certeza que será correspondido. Não teme provocar o encantamento amoroso, porque sabe lidar com isso. Não tem receio de se mostrar para elas. São efusivos nas manifestações de simpatia e de interesse sexual, demonstrando menos medos de ser rejeitado.

O homem de uma só mulher é mais atraente e sensual, pois é mais aberto aos olhares femininos, assume posturas mais ousadas e corajosas em relação à vida e as pessoas, despertando maior interesse nelas.

O homem de uma só mulher sabe que, quando está com sua parceira ele se sente seguro e é acometido por sensações incríveis de paz e aconchego, destruindo sua própria sensação de vazio.

O homem de uma só mulher sabe que, o sexo praticado com sua parceira, o leva do vazio ao prazer total, com amor amizade e infinito excitamento, e sabe que pode vivenciar o sexo em toda sua plenitude.

O homem de uma só mulher sabe que, desperta o amor, a amizade e o interesse sexual em sua parceira, desperta mais do que o amor, o verdadeiro amor, mais do que amor.

O homem de uma só mulher sabe que, sua intimidade sexual se manifesta com toda intensidade e encantamento, do desejo apaixonado de fazer sexo com sua parceira.

O homem de uma só mulher não tem medo de ser feliz, não tem medo de demonstrar sua paixão, não tem receio de proclamar o seu amor por sua parceira, porque sabe que, sua individualidade é mais bem estabelecida. Sabe que o amor é uma mágica estabelecida no respeito mútuo. Sabe que a maturidade moral dos que se amam é indispensável para que se estabeleça a mágica do amor.

Agora, os homens de uma só mulher são, sobretudo homens que querem desesperadamente esse mesmo privilégio, ser e pertencer a mulheres também de um só homem.

Enfim, os homens de uma só mulher são homens especiais! E raros.


(Texto adaptado de Maria da graça Almeida e Gelmirez Freitas)

quarta-feira, janeiro 25, 2006

LIBERAÇÃO EMOCIONAL MASCULINA - parte 4

A base da educação masculina obriga o homem à não deixar emergir o seu eu mais profundo, não deixando aflorar seus sentimentos mais íntimos e ocultos, expondo a sua alma e a sua verdadeira condição humana, de fraqueza, carência e limitação.

Ao contrário da mulher, que desfruta de ampla e total autorização da sociedade para deixar seus sentimentos e emoções fluírem o tempo todo, quando e onde quiser, o homem – para “parecer” homem – é forçado, desde cedo, a suprimir ou recalcar a maioria das suas emoções. “Homem que é homem não chora”, reza a crença popular, e também não ama, não ri, não tem medo, nem dor, nem saudade, nem coisa nenhuma. A rigor, “homem que é homem não sente”, ou seja, é uma verdadeira nulidade emocional, em todos os sentidos.

O problema é que esse "homem que é homem" não existe como pessoa concreta: - é apenas um conceito absurdo, uma terrível abstração. No entanto, é nessa abstração que a maioria dos homens acredita, pois foram criados de acordo com ela, foram forçados a se adaptar a ela. Caso contrário, seriam chamados de "boiolas", "bichonas", etc, etc. Grande merda ser chamado de bicha quando se vive uma vida tão miserável, tão vazia de significado, tão cheia de preconceitos! Qual a vantagem em ter que aturar uma dor surda e carregar uma pesada couraça de ferro, apenas para segurar a barra, para ostentar uma fachada de macho?

Só para ilustrar esse terrível conflito de masculinidade que todo homem vive, uma vez eu vi e ouvi uma mãe, num Shopping Center, advertindo o filho com seus 7-8 anos que estava chorando sem parar: - pare de fazer birra! Desse jeito você está parecendo uma mulherzinha... Todo mundo vai achar que você é bicha. E é assim que funciona a educação masculina em nossa civilização.

sábado, janeiro 21, 2006

LIBERAÇÃO EMOCIONAL MASCULINA - parte 3

Somente através da livre expressão dos sentimentos masculinos. O homem pode estabelecer um contato verdadeiro, significativo e profundo com as mulheres.

Aos homens foram ensinados que, para ser homem, ele tinha que ser duro, em todos os sentidos. Certamente quem concluiu isso não era feito de carne, mas de pedra. Tivesse o cidadão reconhecido que tinha um corpo, e perceberia a começar de si próprio, que as principais características do ser humano - macho ou fêmea - são a sua flexibilidade, a sua leveza, a sua extrema sensibilidade, a sua inteligência e a sua capacidade quase infinita de se adaptar e de se transformar.

Entretanto, do modo cruel como o homem foi ensinado a tratar a si próprio, parece que essas características, com exceção da inteligência pertencem apenas à mulher. De onde resulta vergonhoso para um homem identificar-se com elas, pois, na bíblia da superioridade masculina, coisas de mulher são necessariamente coisas inferiores e indignas de um verdadeiro homem.

A vantagem é que essas características não precisam ser ensinadas a ninguém, pois, todos nós, homens e mulheres, já as trazemos de “fábrica”. Ou seja, não há nada a aprender, mas somente a desaprender:

· Desaprender que homem não chora (chora sim, como qualquer pessoa!)
· Desaprender que homem não é sensível ao toque (é sim, e muito, tanto quanto a mulher)
· Desaprender que homem não tem necessidade de se expressar corporalmente (é claro que tem!).


Sem esses bloqueios de natureza física (resistência ao toque), intelectual (valores “machistas”, repulsa a feminilidade) ou emocional (auto-repressão dos sentimentos e emoções), o homem vai poder assumir verdadeiramente a sua condição de gente, vai poder verdadeiramente amar e ser amado.

sábado, janeiro 14, 2006

LIBERAÇÃO EMOCIONAL MASCULINA - parte 2

A tradicional “fachada” masculina – rígida, austera, discreta, impenetrável – não consegue mais esconder o sujeito altamente inseguro que existe por trás dela. Um sujeito que, depois de reinar absoluto por séculos, agora se descobre psicologicamente fragmentado, socialmente reprimido, emocionalmente bloqueado e sexualmente insatisfeito. Desventuras até muito recentemente “privativas das mulheres”.

Como um computador, o homem é desde cedo programado para desempenhar "papéis sérios" na Sociedade, a agir de modo totalmente racional, reprimindo sem clemência o seu lado afetivo. Por razões que o homem chama de "sobrevivência", ele se força a atuar como uma máquina, sem conseguir expressar os seus sentimentos mais legítimos, ou seja, sem se permitir o direito de manifestar-se como pessoa humana.

Essa "formação masculina", que pode até ter sido muito útil em épocas anteriores da civilização, representa hoje um verdadeiro processo de "deformação humana", marcado por todos os tipos de erros, impropriedades e contradições. Essas "deformações" que continuam marcando a educação do macho, apesar de todos os avisos e ameaças do ambiente, podem ser agrupadas em três categorias principais:

Deformações Psicológicas - provocadas entre o "modelo de homem", que desde cedo ensina e cobra com veemência a adoção do chamado "comportamento masculino" e a diferenciação de papéis cada vez menos representativa, cada vez mais ambígua e cada vez mais duvidosa entre o homem e a mulher.

Deformações Fisiológicas - provocadas pelo eterno conflito entre o que o corpo quer fazer e o que a cabeça diz se pode ou não ser feito, ou seja, entre as necessidades e apelos do próprio corpo e as pressões sociais que continuam obrigando o homem a mantê-las sob rígido controle.

Deformações Sociais - provocadas por expectativas sociais conflitantes, entre o que se ensina o que é ser macho para uma criança e um jovem, e o que se exige do macho na condição de homem adulto.

Uma face triste da desgraça masculina é que a maioria dos homens ainda não se permite sequer discutir seus bloqueios, medos e inseguranças no mundo de hoje, apesar da gravidade e da urgência de um debate amplo e aberto de todos os temas envolvidos. Só pequenas minorias, em geral vistas com muita reserva pelos machistas de plantão, já detectaram o tamanho do buraco e estão procurando saídas que permitam ao macho da espécie redefinir sua identidade e desenhar o seu novo papel na era da informação.

segunda-feira, janeiro 02, 2006

LIBERAÇÃO EMOCIONAL MASCULINA - parte 1

O homem não consegue liberar suas emoções e libertar-se de si mesmo.

As diferenças entre homens e mulheres verificados e sentidos na atualidade, devem ser vistas com base cientifica e não meramente especulativa.

A mulher foi à luta e conseguiu livrar-se de inumeráveis proibições, bloqueios, preconceitos e tabus sociais, políticos, econômicos, psicológicos, sexuais e religiosos. Agora é a vez do homem fazer o mesmo, porque não dá mais para agüentar tanta opressão. No caso da mulher os mecanismos e os agentes opressores eram bem conhecidos, tinham nome (homem) e endereço certo (instituições patriarcais machistas). No caso do homem eles estão encobertos por anos e anos de auto-repressão. O maior opressor do homem é o próprio homem, o "espírito machista": - frio, sério, calculista e pseudo-racional.

O homem já passou - e muito - da hora de mudar aquele comportamento padrão, esboçado ainda no tempo das cavernas e que perdura até hoje. De acordo com esse figurino, o homem foi feito para ser um animal rude, essencialmente para procriar, inseminando o maior número possível de mulheres, guerrear e vencer. Sob essa ótica combativa em que foi concebido o seu papel há muitos milhares de anos, homem não pode ter medo, nem compaixão, nem solidariedade, nem carinho, nem qualquer frescura. Tem que ser duros, bravos, indômitos e incansáveis guerreiro.

Paradoxalmente, esse comportamento que, certamente, foi fator chave para a preservação da espécie na sua pré-história, constitui, hoje em dia, uma permanente ameaça pairando sobre a cabeça da humanidade, que coloca em risco todas as grandes conquistas do nosso longo e complexo processo civilizatório. Nada mais atrasado do que essa "cabeça de homem primitivo" no complexo mundo atual.

Para complicar a sua situação, o homem se auto-atribuiu. Ao longo da história, o papel de ator principal no processo da Criação, colocando a mulher num distante e muito discreto segundíssimo plano. Quem sempre foi rei, nunca abrirá mão facilmente das prerrogativas e benesses do poder... A menos que se veja seriamente compelido a fazê-lo.

O progresso tecnológico, paradoxalmente desenvolvido e aperfeiçoado por homens, colocou em cheque todos os mitos e fragilidades da decantada superioridade masculina. Primeiro, através de avanços como a pílula anticoncepcional que, ao liberar a mulher da obrigatoriedade de ter filhos jogou-a diretamente no mundo do trabalho, da ciência e do esporte, antes domínios exclusivos do homem. Segundo, através da substituição da idéia de "força de trabalho" para a idéia de "inteligência de trabalho", ou seja, descartando a necessidade de força física para a realização da maior parte das tarefas "importantes" e "fundamentais" do processo de obtenção de riquezas.

O restante dessa história já é por demais conhecida de todo mundo. O homem saiu, e muito rapidamente, da condição de ser superior para a condição de ter que viver em pé de igualdade com a mulher, com quem foi obrigado a dividir praticamente todos os seus milenares, sagrados e exclusivos direitos, até mesmo os mais antipáticos. O exemplo mais contundente disso são esses escandalosos processos de assédios sexuais, movidas por mulheres, antes indefesas, e que tomaram lugar na mídia daqueles antigos crimes passionais, que os homens cometiam para lavar sua honra com o sangue de suas mulheres infiéis... Até mesmo neste desgraçado aspecto, o homem saltou para o extremo oposto, saindo da condição de algoz para a condição de vítima.

Entretanto, pelo menos por enquanto, as ameaças ainda não chegaram a ponto de fazer "estourar a bolha" da superioridade masculina. A mulher que ingressa e tem sucesso no mercado de trabalho não o faz, infelizmente, com base em um modelo feminino de atuação, mas "imitando" os homens mais "bem-sucedidos", ou seja, os mais rudes e perigosos representantes da espécie. Em muitos sentidos, a maioria das mulheres hoje em dia tornou-se mais enfaticamente antifemininas do que o próprio homem...