complexogel

O COMPLEXOGEL é um blog que integra o emocional, o mental, o intelectual e todas as formas do conhecimento, numa verdadeira salada de idéias

terça-feira, maio 30, 2006

O TEMPO

Por muitas vezes quis voltar o tempo... Pra alcançar coisas que deixei inacabadas no caminho e até mesmo para fazer coisas que deveria ter feito e não fiz. Dedicar mais tempo à minha família; Tomar café com minha mãe, almoçar com meus irmãos e jantar com minhas sobrinhas. Sentar numa roda e contar aos meus amigos e amigas todas as experiências que a escola da vida me ensinou, para que eles não caiam nos mesmos buracos que eu caí. Tempo bastante pra rodar o mundo de ponta a ponta e conhecer um a um todos os lugares belos que ele pode me mostrar.

Rir, gargalhar, beber e cantar num bar ouvindo o som do violão cercado de gente querida; trocar idéias e comer tira gosto sem culpa, totalmente alheio ao colesterol.

Ver o sol nascer apreciando a relva verde, com meu amor no colo observá-la pelo dia afora até que se esconda em um fim de tarde romântico.

Ver o mundo em paz e em pé de igualdade, onde não haja overdose de fome e tanta violência cotidiana. Meu Brasil trocando a corrupção por trabalho, teoria por prática.

Ver minha geração acreditar mais no amor e menos nas baladas. Sentir a natureza diariamente - Sol, Terra, Mato, Mar e Lua - Sentir o sol e caminhar pela terra. Navegar no mar por tempos e tempos guiado apenas pela luz da lua e sem data de voltar.

Me apaixonar diariamente pela mesma mulher e sentir com ela o sabor de cada prazer que o amor oferece.

Ouvir todas as músicas que gosto, do samba ao jazz, sem preocupar com as horas, com o celular tocando e com os compromissos.

Mas o tempo não permite, daí a importância de dar tempo ao tempo para que as coisas aconteçam na nossa vida.

Acho até que o tempo serve para juntar pensamentos avulsos no cérebro e nos livrar de impulsos, para amenizar ou intensificar o nosso sentir, para cuidar do coração, para aquecer, unir, trocar e separar as coisas, para fazer lembrar ou esquecer. É o tempo... Que nunca pára, que faz o ócio e a produção com a mesma roupa e que é muito democrático, pois dá a todos nós o mesmo dia, o mesmo espaço e as mesmas horas sem distinção de raça, classe social, religião, sexo e opção sexual.

É curioso e interessante falar do tempo enquanto o próprio tempo passa. Tempo é sinônimo de equilíbrio, é planejar e seguir um caminho sem se tornar escravo do destino. É dedicar a cada tanto da vida - Amor, Trabalho, Família, Lazer, etc. Principalmente para aquilo que é saudável e faz bem à mente, ao corpo e ao coração.

Estabelecer prioridades é fácil, difícil é seguir os horários e manter aceso na cabeça nossos verdadeiros objetivos de vida. Nos achamos donos do tempo, mas sabemos no fundo que o tempo é dono de si mesmo. Jamais existirão minutos, horas, dias, meses e anos iguais.

terça-feira, maio 23, 2006

PONTES

É a isto que quero dedicar minha vida: à construção de pontes. Fazer-me ponte, ligar minha margem à outra dentro de mim e a outra dentro da outra.; colocar tijolo em cima de tijolo enquanto vejo o outro lado sendo construído também, e é este esforço de tijolos e luzes que chamamos de amor.

Deslizar em pontes diariamente, tentando o equilíbrio fino e leve da vida e da consciência, construir pontes de marfim, de granito, de cerâmica e de papel. Pontes feitas com letras, com desenhos e com olhares, pontes curtas e extensas, silenciosas e barulhentas. Seguir em frente, e dizer: esta ponte é, o meio do caminho entre o desejo e o futuro.

Pela ponte é que não esqueço.São como imagens minhas que perdi pra reencontrar.

Passado o tempo da construção, virá o tempo da unificação.

sexta-feira, maio 19, 2006

DESATINO

"De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo...” ·(V. de Moraes).


É quando me vem, sorrateiro, um misto de saudade e calor, ausência e desejo, tristeza e vontade. É quando busco um abraço que não existe. É quando rendo minhas defesas tão racionais e dou um grito mudo com teu nome. É quando não quero mais acordar amanhã. É quando não choro, pois é tão grande o desatino que não estou aqui, apenas sinto a dor de não sentir você. É quando luto com a necessidade de partir. É quando suspiro o suspiro mais fundo — muito mais fundo que o fundo dos olhos, que o peito, que o mundo — pra tentar acalmar o que é puro e incandescente sentimento. É quando me deito em vão.

segunda-feira, maio 15, 2006

IMPACIÊNCIA EMOCIONAL

Somos cada vez mais complexos, aliás, a simplicidade parece rondar a contramão da nossa tão sonhada satisfação. Os desejos não perduram, não sobrevivem serenamente como realizados, vivemos na trilha dos desconfortos que motivam outros desejos, novas aventuras e novas frustrações.

Não contemplamos, não vivemos nossasrealizações, não,não...
Preferimos almejar fusões loucas e descabidas, dignas de uma bela estadia num hospital psiquiátrico... Que loucura!

Já perceberam como nos queixamos das coisas? Se namorados, ficamos saudosos, relembrando os velhos tempos de solteiro, as festas, mulheres, a liberdade e as badalações que tal condição nos proporcionava... Se solteiros, babamos no vazio, observando melancolicamente os casais na rua, lembrando do colo, do cheiro, do amor, do domingo no cinema e de tudo mais que a relação trazia de bom.

Se empregados, reclamamos do salário, do chefe, do cansaço e do stress que o mercado conspira.

Se desempregados, queixamos da falta de grana, do alto nível de exigência e das poucas oportunidades oferecidas... Assim, nada desce bem. Todo emprego será chato e nenhuma condição sentimental ou pessoal será ideal. Estaremos, de certo modo, fadados a navegar pelo mar da insatisfação. Isso parte dessa idéia chata de perfeição, de prepotência e de sucesso cotidiano... Nos julgamos dispostos demais... A trabalhar como loucos, a assumir relações, a sermos cúmplices, fieis e jorrar amor aos quatro cantos, mas por vezes e vezes descobrimos que não estamos prontos, para uma urgência emocional, outrora por carência, solidão e certamente, na maioria das vezes por imaturidade afetiva, por pura impaciência emocional.

Somos todos iguais. E não há nenhum remédio, senão o amadurecimento produzido pelo tempo, capaz de nos suprir e de nos livrar disso. Num outro tempo, já maduros e equilibrados, descobrimos que unir o bonitão das paradas e uma boa namorada na mesma face é impossível e que o namoro e a balada nunca se casarão... De fato, as coisas não serão sempre perfeitas como desejamos, mas a convivência com nossos erros nos ensinam a entender e a valorizar aquilo que é nosso, aquilo que conquistamos pelo que somos.

A vida é e sempre será de momentos, oportunidades e opções.

quinta-feira, maio 11, 2006

MILAGRE

Eu vivia numa atmosfera de milagre. Não, não há razão de espanto: o milagre existe: o milagre é uma sensação. Sensação de quê!?! De milagre. Milagre é uma atitude. O milagre do girassol virar lentamente sua abundante corola para o sol. O milagre é a simplicidade última de existir. O milagre é o riquíssimo girassol se explodindo seu caule, corola e raiz — e ser apenas uma semente. Semente que contém o futuro.
"O futuro é um passado que ainda não se realizou"(Um sopro de vida, Clarice Lispector).


Em algum momento entre lá e aqui, sinto que perdi essa maravilhosa noção de milagre que, sempre tive meio que intuitivamente — e não é da natureza dos milagres serem eles da intuição? Pois bem, quero-os de volta! Viro-me pro sol.

Minhas queridas amigas online, se eu não as visitar nestes dias, não estranhem, pois estou passando por profundas transformações. Brevemente darei notícias.

AMO TODAS VOCES.

domingo, maio 07, 2006

ESPÍRITO OU FANTASMA

O amor aparece de quase nada, quando menos se espera.

As vazes um simples olhar desencadeia todo um processo químico entre dois seres.

Não importando a distância, assim mesmo ele vem. Nesse momento o corpo se desconcentra desarticulando todas suas nuances e pedaços. Em algum lugar a alma reagrupa o corpo e ele se parte abstraído e presente, pois cada pedaço, é ele todo.

Entre o corpo e a alma, não há mais distância, nem é mais necessário falar, e se palavras aparecem, dizem outras coisas.

Se não for assim, ainda que haja o maior tesão entre ambos, o corpo se cansa e a alma se recente.

Quando se faz sexo ou são espíritos ou fantasmas.

Muito complexo, o sexo.Ainda que se queira fazê-lo fácil. Não é.

Pode ser mecânico, mas o genuíno prazer só se consegue entregando-se de corpo e alma.

Portanto é o medo de se entregar que traz o risco para o amor e desencadeia a saudade, que vem quando somos privados desses gostosos momentos. É como o sonho do gosto de um beijo. Aquela música que toca na casa ao lado, não na outra, tampouco na da esquina – canta porque é com o canto que eu posso chegar, mais que não chega. Saudade é a imagem que está sempre no canto dos olhos e que a vista aberta não alcança, é o que em canto derruba a lágrima, é qualquer coisa sobre ela.

Saudade!!! É o que sinto.

terça-feira, maio 02, 2006

POSTAIS DE NÓS DOIS


Você me deixou uma mania, sabia? Não posso mais entrar num bar ou café e ver aqueles mostruários de cartões postais que eu já saio catando um de cada, não importa do quê. Você disse que colecionava e que poderia trocar os que já tem se pegasse algum repetido, lembra? Desde aquela época comecei a pegá-los também. Alguns eu te dei, mas vários ficaram aqui, guardados, esperando que eu me lembrasse — ou esperando pra me lembrar... Não sei, eu olho pra eles e acho errado, é como comprar um presente e nunca entregar é como um rio represado. Quando a gente se vir vou dá-los pra você, é o que eles querem, é o que eu quero. Você quer?